Destaque Saúde
Publicado em 18/12/2017 às 14:39 - Autor:

UPA terá classificação de risco eletrônica a partir do dia 10

A UPA (Unidade de Pronto Atendimento) 24h de Valinhos voltará a ter acolhimento com classificação de risco de todos os pacientes a partir de 10 de janeiro. A unidade atende uma média de 500 pessoas por dia e, segundo a Secretaria da Saúde, apenas perto de 30% são casos de urgência e emergência.

Desde março, essa classificação vinha sendo feita pelas enfermeiras apenas nos casos com queixas graves, sem o suporte do sistema de computador específico. A interrupção ocorreu com a saída Inase, Organização Social que administrava a UPA, que levou os programas.

Segundo a secretaria, a classificação de risco priorizará os atendimentos de acordo com a gravidade clínica, potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento.

“Permitirá que os atendimentos sejam realizados com mais eficiência, já que se tratando de saúde, tempo pode representar a diferença entre salvar uma vida e perder um paciente”, disse o secretário de Saúde, Nilton Tordin.

Nesta quarta e quinta-feira (13 e 14), 20 enfermeiros da Rede Municipal de Saúde que atuam na UPA participam de uma capacitação teórica e prática sobre o protocolo, que segue o modelo Manchester.

A capacitação é oferecida pela empresa SISS-Online, contratada pela Secretaria da Saúde, para informatização da rede. A empresa fornecerá a plataforma completa para a classificação de risco e a organização do fluxo de pacientes.

 

Fluxo de atendimento – Logo após passar pela recepção, os pacientes serão encaminhados para uma das duas salas de classificação. A enfermeira ouvirá as queixas e fará a aferição dos sinais vitais eletronicamente, que automaticamente alimentarão o sistema para a classificação do atendimento.

Os pacientes receberão uma pulseira nas cores vermelha, laranja, amarela, verde e azul de acordo com o grau de urgência e emergência e serão direcionados por ordem de prioridade para as especialidades médicas adequadas, entre clínica médica, ginecologia, ortopedia e pediatria.

Comentários